“Nasci numa casa de artista, espaço estimulador para fazer brotar minha capacidade e produção criativa. Inicie minha expressão com uma máquina fotográfica, quando resolvi viajar o mundo para estudar arte e fotografar. O olhar aguçado para formas, cores, contrastes e situações a serem registradas, foram despertando a artista que adormecia dentro de mim.

A inspiração brota do meu cotidiano e a natureza é sem dúvida uma grande motivação, mas a natureza que eu mesma crio, seres, plantas, pássaros e flores que só existem em minha imaginação.

Gosto de retratar a mulher com todos os sentimentos capaz de carregar consigo em cada fase da vida: tristeza, angustia, dor, força, vibração, alegria, sensualidade, poder. As flores, os pássaros e outros animais aparecem anunciando a beleza natural com suas cores e sons, delicadeza, força e liberdade.

A formação em arquitetura faz com que minha produção artística vá além da expressão de sentimentos.Ela carrega consigo uma preocupação estética com uso de cores fortes e contornos que destacam alguns elementos que possam fazer parte do universo das pessoas, de suas casas, de seus ambientes de trabalho. Tecnicamente, exploro um pouco de tudo: aquarela, acrílica, misturo fotografia com desenho, pinto sobre painéis de madeira, arte de rua e etc. Atualmente, a fim de me aproximar cada vez mais dos meus espectadores, tenho usado os recursos da arte digital, como um meio de expressão mais presente na vida contemporânea.

Meus trabalhos são mais gráficos, geométricos, sem qualquer pretensão de serem realistas. Os artistas que me inspiram são mais contemporâneos que acadêmicos.

Minha personalidade inquieta é a responsável por meu processo criativo. A dificuldade, muitas vezes, é de domar as ideias – que trato de minhas ‘feras’- querendo libertarem-se todas ao mesmjo tempo, untas e misturadas. No entanto, basta acontecer o primeiro traço e vou acolhendo as vozes que me chamam para lados diferentes com certa generosidade. E sem medo de errar -pois, aprendi que do erro surge o acerto e me permito errar sem muito problema- vou encontrando o caminho para a felicidade final: arte concluída, imperfeita e cujo resultado, fala por mim. ”

Karen Venturelli

About the artist

I was born in an artist's house, a stimulating space to sprout my creative capacity and production. I started my creative process with a camera, when I decided to travel the world to study art and to photograph. The sharp look at shapes, colors, contrasts and situations to be recorded, was awakening the artist who fell asleep inside me.

Inspiration springs from my daily life and nature is undoubtedly a great motivation, but the nature I create myself, beings, plants, birds and flowers that only exist in my imagination.

I like to portray the woman with all the feelings capable of carrying with her in every phase of life: sadness, anguish, pain, strength, vibration, joy, sensuality, power. Flowers, birds and other animals seem to be announcing the natural beauty with their colors and sounds, delicacy, strength and freedom.

The training in architecture makes my artistic production go beyond the expression of feelings .It carries with it an aesthetic concern with the use of strong colors and outlines that highlight some elements that can be part of the universe of people, their homes, their environments of work. Technically, I explore a little bit of everything: watercolor, acrylic, mixed photograph with drawing, paint on wooden panels, street art and so on. Nowadays, in order to get closer and closer to my viewers, I have used the resources of digital art as a more present means of expression in contemporary life.

My art works are more graphical, geometric, with no pretense of being realistic. The artists who inspire me are more contemporary than academic.

My restless personality is responsible for my creative process. The difficulty is often to tame the ideas  wanting to free themselves all at the same time, together and mixed. However, just the first stroke happens and I am welcoming the voices that call me to different sides with a certain generosity. And without fear of making mistakes - afterwards, I learned that from error comes the correctness and I allow myself to make mistakes without much problem - I am finding the way to my happiness: finished art, imperfect and whose result speaks for me.

Karen Venturelli